Linguagem neutra e sua importância na inclusão e representatividade

A agenda ESG já faz parte do cerne de muitas corporações e vem crescendo. Quando pensamos em Governança Ambiental, Social e Corporativa, a parte ‘social’ é tão importante e urgente quanto as questões sobre sustentabilidade, porém é uma das partes mais complexas, envolve criar laços com a comunidade onde está inserida e assim gerar um impacto positivo na sociedade.

Uma empresa que promova a diversidade (de gênero, racial e sexual) está alinhada com a mudança de comportamento das gerações e com os novos consumidores (millennials e geração Z).

A linguagem neutra, ou linguagem não binária, não é obrigação imposta por nenhum movimento da causa LGBTQI+, mas uma discussão que propõe uma modificação na língua portuguesa para incluir pessoas trans não binárias, intersexo e as que não se identificam com os gêneros feminino e masculino. A ideia é criar um gênero neutro para ser usado ao se referir a coletivos ou a alguém que não se encaixa no binarismo.

O assunto ainda faz parte de uma bolha (internet, redes sociais), porém durante as Olimpíadas do Japão no jogo entre Japão e Canadá no futebol feminino, a narradora Natalia Lara adotou o pronome neutro, dessa vez na tela da Globo, para se referir a Quinn, atleta canadense que se identifica como trans não-binário (nasceu com o sexo biológico feminino, mas não se identifica nem como homem, nem como mulher). “Vou usar um pronome de Quinn para a entrada da Rose. Quinn que é uma pessoa trans não-binária, por isso a gente fala com o pronome neutro. Então, saindo Quinn para a entrada da Rose”, explicou. “Elu jogou muito bem ali no meio campo, marcou demais”, complementou o comentarista Conrado Santana. 

Ou seja, aos poucos o tema vai ganhando espaço e dando oportunidade para mais informação. A luta não é de hoje. Em 2015, a tentativa de inclusão do gênero não-binário na língua portuguesa ganhou o pronome ILE, sugerido no manifesto “Para Uma Comunicação Radicalmente Inclusiva”, criado por Andrea Zanella Psicóloga, e e Pri Bertucci, CEO da Diversity Box, como alternativa para a usual generalização no masculino. 

O uso de ‘x’ e ‘@’ no lugar de ‘a’ ou ‘o’ não funciona na linguagem oral. O correto é utilizar a letra ‘e’ em palavras neutras, como ‘todes’ e ‘amigues’, e não ‘x’ ou ‘@’. Esses símbolos tornam complicada a leitura, a fala e a escuta das palavras. 

Na escrita, muitas vezes as pessoas usam a letra ‘x’ no lugar das letras ‘o’ ou ‘a’. Assim: ‘cansada”, em vez de ‘cansado’ ou ‘cansada’; ‘animadx’, em vez de ‘animado’ ou ‘animada’. 

Acontece que quem precisa de tecnologias assistivas, como softwares de leitura de texto e tela, não se beneficia do ‘x’. Isso porque esses programas muitas vezes não conseguem reconhecer o que está escrito, embora diferentes programas reajam de forma menos ou mais acessíveis . Mas se estamos propondo inclusão, então a alternativa correta é o uso da letra ‘e’. Veja: ‘cansade”, ‘animade’, ‘incluíde’.

Para reforçar: ao passo que técnicas como ‘@’ e ‘x’ – ‘el@s’ e ‘todxs’ – não são tão usadas, por dificultar a leitura, podemos optar por ‘ili’/’elu’, ‘dili’/’delu’, ‘todes’ etc.

Como incluir a linguagem neutra na prática?

Por exemplo, a empresa pode orientar os funcionários a evitarem expressões como ‘homossexualismo’ (o sufixo ‘ismo’ indica doença) e ‘opção sexual’ e a utilizarem, por outro lado, os termos ‘homossexualidade’ e ‘orientação sexual’.

Para falar com pessoas de gêneros ‘não-binários’, se recomenda o uso dos artigos ‘ile/dile’, ao invés de ‘a/ela/dela’ ou ‘o/ele/dele’. Respeite sempre o nome social das pessoas trans e nunca pergunte ‘qual o seu nome verdadeiro’? Isso é indelicado e causa um constrangimento desnecessário.

Várias empresas já possuem guias de comunicação inclusiva como instrumento de conscientização e educação de seus líderes e funcionários sobre o tema, afinal é um assunto relativamente novo que necessita mais conhecimento por parte de todes. 

Notas:

  1. Estudo publicado pela Scientific Reports em janeiro de 2021 aponta que quase 2% da população brasileira é transgênera ou não-binária – o que equivale a cerca de 3 milhões de pessoas.
  2. A linguagem neutra é também chamada de Neolinguagem, Linguagem não-discriminadora de gênero, ou Linguagem não-binária.

leia mais | relacionados

Como melhorar igualdade de gênero nas empresas

Um número crescente de pesquisas indica uma forte correlação entre a igualdade de gênero e o sucesso organizacional.  As empresas estão enfrentando um momento de ajuste de contas no local de trabalho. Estão numa luta para encontrar talentos para fazer […]

continue lendo aqui

Como as mudanças climáticas podem afetar a cadeia de fornecimento?

Ninguém é capaz de negar os efeitos que já estamos sentindo na pele. Na última semana fomos atingidos por um episódio excepcional de calor em grande parte do Brasil, com marcas que superaram em muito os valores médios históricos de […]

continue lendo aqui

O que o mês do Orgulho pode contribuir para as empresas

O mês do Orgulho acontece todo mês de junho. Saiba porque ele deve ser importante para o seu negócio e como celebrá-lo da melhor forma com sua força de trabalho. Por que isso importa para o seu negócio? Como líder […]

continue lendo aqui
💬 Dúvidas? Nos envie uma mensagem!